sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Por onde posso começar?!

Por onde posso começar?!
As informações são, invariavelmente contraditórias! Chego a um ponto em que nem sei se há alguém confiável.
No dia 18 de Fevereiro recebi um contacto que me garantia que o Gonçalo não estava em Angola. Pelo menos não estava na companhia do pai dos irmãos. Fiquei muito aflito e demasiado angustiado perante tal incerteza.
Decidi tentar o contacto com a mãe do meu filho através de mensagens escritas pedindo-lhe um número para falar com o Gonçalo. Perante o silêncio desta, optei por enviar um mail ao cuidado do pai dos irmãos do meu filho para o tal hotel onde, alegadamente trabalhará. Fui duro no mail enviado e demonstrei a minha intenção de prosseguir com uma queixa crime caso não falasse com o Gonçalo até 23 de Fevereiro. Para meu grande espanto, no dia em que enviei este mail comecei a receber chamadas de um número angolano. Sempre que tentava atender a chamada desligavam-me e, sempre que eu tentava a ligação não me atendiam! Finalmente, no dia 22 de Fevereiro, cerca das 13h00m recebi um contacto do mesmo número e, quando atendi falei com o Gonçalo!
O meu filho está de facto em Angola, no Lobito e na companhia do pai dos irmãos. Apesar de passar a maior parte do tempo entregue aos cuidados dos empregados do hotel, a vaguear pelos corredores e a conversar com os hóspedes, o Gonçalo pareceu-me sereno. Conversamos um pouco, falamos sobre o nascimento do João e sobre como estava. Os poucos minutos foram suficientes para me acalmar a aflição mas, como imaginam, parcos no que se refere à saudade.
Não me conformo com o facto de uma criança com 9 anos estar em Angola entregue aos cuidados de alguém que não é o seu pai e nem a sua mãe! Mas a que propósito foi o Gonçalo para lá? Que disparate enorme!
A minha ex mulher tem três filhos e nenhum dos três está com o pai! Pior: em Outubro de 2007 fiz um acordo, embora “forçado”, nos termos do qual o Gonçalo ía para Angola aos cuidados da mãe. Eu nunca autorizei e tão pouco pretendi autorizar que o meu filho fosse entregue aos cuidados de um terceiro. Não há necessidade de fazer isto ao Gonçalo. Porque não está ele em, Portugal?
A mãe do meu filho permanece por cá e, sinceramente não parece estar a preparar qualquer viagem. Alienação parental! É este o termo não é? Parecer que é esta a única intenção. Em boa verdade, para garantir tal alienação fica, ela própria afastada de um filho com 9 anos.

6 comentários:

Mar disse...

Sim, porque não está ele com os pais? Devido à escola?
Pelo menos agora sabes onde ele está, deves ter passados dias angustiantes....

Força

Carla e Diogo disse...

É dificil de compreender o porquê do Gonçalo estar distante do pai (pelo que entendi, porque a mãe não o permite) quando a mãe se encontra em Portugal...
Muita força, pelo menos já sabe onde ele está.

Nós... disse...

Sergio, só o facto de ele estar, apesar de tudo bem, já é reconfortante, e essa atitude só demonstra que o pai dos irmãos do Gonçalo, compreennde-te!

Apesar disso devirias tentar outras formas legais, porque concordo com o que disseste , o G não está com nenhum dos pais, ponto!

ps: vou ler o post de cima :)

Mae Princesa disse...

Isso é tão complicado!!!E acho tão estranho como é que alguém que não é o pai nem mãe conseguiu embarcar com uma criança, sem ter, pelo menos, a tua autorização!! Ela tem o poder paternal, é isso?
Outra coisa que me faz confusão, é como é que o gonçalo consegue os vistos, que sei que lá são muitos complicados de conseguir, talvez por isso a tua ex ainda não tenha conseguido ir. Provavelmente agora estão a exigir-lhe um visto de trabalho que ela não tem. Mas se assim for, como conseguiu que o Gonçalo fosse?
Enfim, muita força para ti...

Anónimo disse...

Boa noite...
Pelo menos já sabe do seu menino... Coragem...
E o João? Como está esse bebézinho e sua mamã? Esperamos que estejam bem...
Beijinhos de
Maria & Companhia

Kelly disse...

Ela é louca. Desculpa mas é o que penso. Prefere ter o filho lá meio "abandonado" do que cá só para ele não estar com o pai.
Louca, egoísta e irresponsável.
Um dia vai-se fazer justiça, tem que ser, caramba!
Aposto que se fosse o pai a levar o filho para Angola e desaparecesse com ele ia ter a polícia à perna...
Já é demais....