domingo, 9 de janeiro de 2011

O fim do blog porque desisti do meu filho!

Escrevi neste blog «O Gonçalo será ouvido e com isso a verdade será reposta.». No dia e momento em que escrevi assim tinha certezas quanto ao carácter do meu filho Gonçalo, estava certo de que nunca mentiria por pior que fosse a pressão. Enganei-me!
No dia 5 de Janeiro acordamos, os quatro muito bem dispostos. Era o dia da inquirição do Gonçalo por uma Psicóloga do Tribunal de Família e Menores do Porto. Eu estava absolutamente tranquilo por confiar na verdade mas, mais do que isto por ter a certeza que tinha ao meu lado uma criança de bem que vivia, tal como eu com respeito por aquilo a que sempre chamei Princípio da Verdade! Fomos levar o João e, no caminho para o Tribunal aproveitamos para cantar alegremente músicas do André Sardet que os meus filhos adoram. Chegamos bem ao Tribunal, o Gonçalo estava a sorrir e parecia tranquilo. No momento em que a minha ex mulher entrou no edifício o Gonçalo mudou radicalmente, começou a chorar sem parar e correu para o colo dela. Fiquei surpreso mas achei normal que tivesse saudades da mãe...assim pensei! Continuei tranquilo.
O Gonçalo foi ouvido pela Psicóloga durante breves e escassos dez minutos mas, pasmem... disse à Psicóloga que eu era violento com ele, com o meu filho João e com a Xana, disse que eu não fazia actividades com ele e passava os dias em casa, disse que eu e a Xana passávamos a vida a dizer mal da mãe dele, disse que o irmão João abria a porta do quarto para que o Gonçalo não pudesse falar ao telefone com privacidade...disse, disse e voltou a dizer. O meu filho Gonçalo mentiu confirmando as acusações que a mãe nos tinha feito. Ficamos chocados com a deformação de carácter, com o requinte das inverdades, com a forma como chorava depois de tanto cantar. Fiquei perturbado com o sorriso que me fez quando saiu do gabinete da Psicóloga e que parecia gozar-me. O meu filho Gonçalo, com 11 anos traiu o amor que sentia por ele e traiu o nosso Principio de Verdade.
Apesar de tudo quanto disse não creio que tenha obtido colhimento junto do Magistrado Judicial e da Procuradora tendo ficado combinado que o Gonçalo vinha embora do Tribunal, naquele dia com o pai podendo, no entanto visitar a mãe e a família materna no dia seguinte. Não aceitei!
Quando olhei para o meu filho desconheci aquele olhar, aquela criança e senti-me incapaz de voltar a dar a mão, de voltar a abraçar alguém que tinha mentido sobre a minha honra , sobre a minha dignidade.
Desisti! Não vou lutar por alguém que já não existe. Lamento ter falhado na sua educação mas, infelizmente fui afastado dele e não consegui garantir o seu crescimento como ser humano digno.
Os amigos e a família sabem como é duro chegar a esta conclusão. Quem privou com o Gonçalo no Verão de 2010 e nesta última época festiva percebe bem porque fecho a porta e viro a página deste livro. O Gonçalo enganou todos, o Gonçalo mentiu sobre tudo.
Este será o último post do blog Filho Para Sempre! Ficam as memórias, os vídeos e as fotografias que provam as mentiras do meu filho mais velho. Fica a consciência dele que, aos 11 anos já sabe bem o que fez e que não esquecerá. Ficam os textos deste blog para que um dia os possa ler e perceber o tanto que perdeu.
Obrigado pelo apoio, pelo carinho, pela confiança que mereci.
Tratarei de viver pela minha querida e doce família. Um dia, quem sabe ...possa voltar a pensar no meu filho mais velho com o carinho de outros tempos. Que ele seja feliz e possa ver que o meu amor era genuíno e desinteressado. Que saiba corrigir os seus erros ...
Bem hajam!
Até sempre

86 comentários:

Anónimo disse...

Lamento muito...Mas por mais que ele te tenha magoado, magoado todos os que o querem bem, tem calma e não o abandones. A pressão deve ser muita. Dá-lhe o espaço. O post anterior demonstra bem o que quero dizer, quando dizes que trazias um menino triste para casa.
Força, uma coisa que aprendi foi que a verdade vem sempre ao de cima.
Sejam Felizes!

Anónimo disse...

Como e possível?????? Meus deus, estou incrédula!!!!!um grande beijo para vocês e forca! Cabeça levantada porque nao tem razoes para o contrário!

Anónimo disse...

Por mais que venha alguém dizer o contrário, a verdade é esta, um filho ama mais uma MÃE que um pai!
MÃE É MÃE!
E percebo perfeitamente a reacção dele ao ver a mãe, era o que eu faria se sentisse que podia perder a minha: chorava e corria para ela!

O Gonçalo teve medo de entrar numa disputa, entre ficar com a mãe e o pai, fez a sua escolha e delineou o seu plano, e daí a sua angustia e tristeza nos dias anteriores, pois já sabia o que ia fazer! Mas Ninguém o pode condenar...
Porque é que não lhe perguntaram o que é que ele queria? Se ficar com a mãe ou o pai? Se queria continuar os encontros, se queria dividir-se a si mesmo pelos dois? Isso sim era o correcto!
Não culpe uma criança de 11 anos pelos erros dos adultos!

Cristina Cabral disse...

As crianças são facilmente manipuláveis. Uma mãe ou um pai conseguem muito facilmente "moldar" o carácter do filho. Somos os seu educadores, formadores e é com base nos princípios que transmitimos aos nossos flhos que se forma a sua personalidade e a forma de estar na vida. O Gonçalo foi manipulado por alguém em quem confia cegamente e crê na inocência dos seus 11 anos que o que faz é o que está certo. Não abandone o seu filho. Nunca conseguirá dormir descansado e não será completamente feliz. Um abraço de quem luta todos os dias para que o pai seja o mais presente possivel na vida do meu filho.

Anónimo disse...

Tem certeza de que viu o que viu?
1_ quem ouviu "O meu filho Gonçalo mentiu confirmando as acusações que a mãe nos tinha feito"? Apenas a psicologa? Foi gravado?

2_ como se chama a psicologa?
Sabendo o nome, é muito provavel que se verifique que a missão dessa senhora seja essa, de colaborar na "alienação". Talvez o pai fique surpreso de saber que seu filho nada disso disse, daí o sorriso ao sair.

3_ o que diz seu filho sobre a entrevista?

4_ como se chamam a juiza e o procurador?

5_ tratando-se de maus_tratos, pegue nos videos, confronte a policia com testemunhos de pessoas que estejam nos videos. (A testemunha é a prova-rainha em Portugal,mas o video impede que acusem de falso testemunho e protege do "direito do contraditorio" em que podem tentar apresentar testemunhos falsos do lado agressor) e TODOS apresentem queixa crime de maus-tratos, mostrando claramente a verdade, e não baseando-se apenas numa pessoa, "psicologa" (qualquer um em 3anos se torna psicologo) que pode mentir, deturpar ou ser paga para o fazer.

Isabel Santos disse...

HORA DE REVOLTA,DOR,SOFRIMENTO,NEGAÇÃO...DESISTIR NUNCA,MAIS TARDE OU MAIS CEDO A VERDADE VEM À TONA E POR MUITO MAU QUE SEJA UM FILHO É NOSSO FILHO...JAMAIS DESISTIREMOS DELE.
PERCEBO O QUE SENTE E O QUE DIZ É NORMAL,MAS VERÁ QUE COM O PASS...AR DO TEMPO TUDO MUDA...O TEMPO ESTÁ SEMPRE A NOSSO FAVOR...AMIGO DÊ TEMPO AO TEMPO...SÓ O TEMPO REPÔE A VERDADE.
NÃO O ESTOU A JULGAR...QUEM SOU EU PARA TAL? ACREDITE APENAS NO TEMPO,VIVA A SUA VIDA E VÁ FICANDO DE OLHO NO SEU FILHO,TUDO MUDA DE UM DIA PARA O OUTRO.
FELICIDADES.

Rodolfo disse...

Olá Sérgio...
Conheci precisamente hoje o seu blog e durante a tarde li-o com os sentimentos à flor da pele pois vivo uma situação semelhante à sua... Partilhei-o no fb porque acho importante dar a conhecer o que nós pais por vezes passamos... Como deve imaginar fiquei surpreso quando horas depois leio o seu último post...
Quero apenas dizer-lhe que lamento e que o percebo, pois uma vez mais me revejo nestes tristes acontecimentos. Ninguém, que não passe por isto, imagina a dor que sentimos...
Um grande abraço e felicidades para si e para a sua família

Anónimo disse...

Desistir de um filho que é uma criança de 11 anos? Isto é o contrário de tudo o que escreveram neste blog durante anos. Admito que estejam cansados, tristes e decepcionados e é só por isso que deixo este comentário. Como vosso amigo peço-vos para retirar este post. Para que um dia não se arrependam e para que quem ler isto não venha dar razão ao Tribunal e à mãe do menino.

kristina disse...

Todos nós ja passamos por isso..
( quem vive este drama).
Parece incrivel como os manipuladores conseguem levar a deles para a frente..
Tb eu já senti o que estas a sentir e por mais que o nosso raçocinio queira o coração não deixa...
Daqui por uns tempos voltas a pensar nele e querer voltar a conviver com ele é inevitavel..
Deixa passar um tempo de certo luto ...
Não desistas dele ,nós pais temos que perdoar e amar que mais podemos fazer?

Anónimo disse...

Passo por drama idêntico ao seu, relativamente a 2 filhas! Abraço sentido, mas eu ainda não desisti.

jaime roriz disse...

Eu peço muitas desculpas de dizer isto. mas está a punir o único inocente.

Liliana disse...

Estou parva para a minha vida, como foi o Gonçalo capaz de mentir, bem saber até sei, aposto que foi coagido pela mãe, se calhar até mesmo ameaçado caso falasse a verdade. Não desistas do Gonçalo Sérgio, dá-lhe um tempo e pensa que mesmo ele deve estar a sofrer, é uma criança ainda, facilmente influenciável, não sabes o que se passa ao certo quando ele está com a mãe, tu mesmo dizes que ele vinha diferente quando estava com a mãe, tenta saber o outro lado, porque mais que te tenha magoado e acredito que foi MUITO, o teu filho pode estar a ser chantagiado e sabe-se lá mais o quê. Pensa nisso Sérgio.Continuo aqui para vos apoiar, porque sei que as afirmações do teu filho foram falsas.

Beijinhos

Anónimo disse...

"Eu tenho muita sorte. Por mais que nos afastem fisicamente ninguém, ninguém mesmo consegue apagar-me das boas memórias do meu filho. Ninguém conseguirá afastar-me dele e do amor que eu sei que ele sente por mim. Por mais que tentem, por mais veneno que gotejem nunca, mas nunca saberão o que é amar alguém assim!
Adoro os meus filhos e tenho a certeza de que, para sempre eles se vão orgulhar de mim. Tenho a honra de ser uma pessoa digna e que nunca os vai desiludir nem envergonhar. Outros não poderão pensar assim. Que pena não sermos heróis aos olhos de um filho! Nunca saberei qual será essa sensação porque sempre serei, aos olhos dos meus filhos o pai, o pai que os ama, que os mima e que tudo fará para o bem deles."
Estas palavras são suas, tiradas de um outro post, seja qual for a sua decisão, e se for a que acima transmite, compreendo perfeitamente, porque sou companheira de um homem que tomou uma decisão como a sua, as personagens são diferentes, as histórias são sempre as mesmas, os desfechos espero que um dia mudem, mas nunca se esqueça das suas palavras que aqui trancrevo. Mesmo que "permita" que lhe tirem um
filho, nunca permita que lhe tirem mais que isso! Tudo de bom. Susana

Patricia disse...

Fiquei sem palavras...

Ele é inteligente. Tem os mimos de ambas as partes. Deve estar a gostar deste jogo e da importancia que lhe dão e por isso deve querer continuar em campo. Uma decisão do tribunal iria acabar com a "festa". Assim, o gonçalo prolongou-a... ou não!
Mas um dia ele vai ler isto e perceber que a sua inteligencia não o levou a lado nenhum.

Eu tb me sentiria traída nessa situação. Mas não digas que desististe do teu filho. Nunca desistas. Tudo tem uma solução. Deixa-o crescer e sentir saudades.

Anónimo disse...

nunca se desiste de um filho....nunca têm 11 anos e só 11 anos de muita pressão......podes desistir em tribunal...mas nunca em telefonemas ou afectos........ os psicologos não são parvos

Anónimo disse...

Muito força para todos :)

IsabelCunha disse...

Eu compreendo-te... mas...Não te esqueças que ele á uma criança e pode perfeitamente estar a ser manipulado... até os adultos o são tantas vezes... calma e cabeça fria!
Melhores dias virão!

Anónimo disse...

Lamento o sucedido, e nem imagino por mais que tente, a sua dor.
Que este seu relato seja lido pelos "pacóvios" de certos psicólogos e juizes que têm sempre a convicção de que "pessoas" com 11, 12, 13 e 14 anos não mentem, não são más, não são interesseiras e que não têm maldade e malicia nenhuma...
Ora bolas, eu lembro-me bem de quando tinha estas idades e lembro-me bem da minha inocência e ingenuidade, mas também das minhas maldades e malicias voluntarias...
Deixem de super proteger os mais novos assim desta maneira!!! Enganados estão os que pensam que estão a fazer-lhes bem e que estão a fazer o melhor por e para eles. Estão sim a criar autenticos monstros.
Um abraço para si.

Filipa disse...

Ai Sergio, nem sei que diga. Percebo perfeitamente o que sentes e compreendo a tua decisão, decisão essa que reflecte o desespero e impotência que sentes. O mais importante é o facto de estares com a consciência tranquila, mas essa mesma tranquilidade, (baseada na verdade), faz-te sentir traído .... e isso doi horrores!!!
Lamento muito mesmo, o que estás a passar, mas lamento mais ainda o estado emocional em que se encontra o Gonçalo!!! Como é que é possível que esse doce menino esteja a deixar-se levar? .... a pressão será naturalmente muita, e afinal de contas ele é apenas um menino, não tendo por isso obrigação/capacidade de conseguir gerir essa luta de sentimentos da forma mais acertada e racional. Precisará concerteza de muita ajuda .... para que no futuro consiga ser um homem equilibrado emocionalmente.

Presumo que o teu desgosto seja enorme, e essa tua desistência tem como base estares convencido que chegaste ao teu limite. Concerteza que não será assim, pois verás que o amor que sentes pelo teu menino te dará novamente forças para lutares ... por ele, e por vocês enquanto família!!!

Por vezes, por detrás de uma desistência, está um gesto de amor!!! E eu Sérgio, compreendo tão bem quando desistimos por acharmos que para eles será melhor assim!!!

Um grande beijinho para vocês, e hoje, nesta altura tão triste da tua vida, deixo-te um abraço muito apertadinho, carregadinho de força e essencialmente de esperança.

Filipa

Mamã e filhota. disse...

Puxa! Que dor! O teu filho tirou-te o chão!... O pior é que acredito que seja tudo influencia de palavras e conversa que a mãe dele diz para ter... e ele assim faz mas... 11 anitos é já ter um pouco consciencia do certo e errado. Da mentira e da verdade... E se ele fez o que fez, merece então que desistas dele, por mais doloroso que seja... Lamento muito porque deves estar a sofrer muito. Tu tentaste. Tu lutaste. E no fundo não és tu que estás a desistir do teu filho...O teu filho obrigou-te a isso, perante a pessoa verdadeira e digna que és... O tempo irá curar e sim, dá amor e dedica-te áqueles que te amam, que te respeitam e que te querem bem... Um dia, quem sabe, o teu filho mais velho cairá nele, aperceber-se que errou e pedir o teu perdão... E aí o tempo já terá curado a tua ferida, a tua dor, e poderás perdoá-lo e quem sabe começar aí uma grande e linda historia de pai e filho... Não te esqueças do seguinte. A verdade prevalece acima de tudo na vida.. Ele hoje mentiu pela mãe... amanhã ele vai enxergar a mãe que tem... E será nessa altura que vai aperceber-se do grande erro que cometeu contigo... Boa sorte! Sê feliz!

maria conceiçao lucas disse...

Amigo, parabéns, mas não desista pq
a verdade vem sempre ao de cima, seja sempre igual a si próprio....tem a consciencia tranquila isso é o q conta, pq eu já não acredito na justiça dos homens....força, no fundo tenho pena
do pequeno!!!! a ser munipulado coitado????não é fácil.

mamie disse...

Sérgio não desista do seu filho!

É uma criança! Que pode ter errado, que o pode ter desiludido... mas não o fizemos já, todos, aos nossos pais?

É grave! Pois é!

Mas não desista! Coragem!

Maria C disse...

Sérgio, nunca desista do seu filho. Sei de tantos casas de manipulação de pais e maes. Mas no final quem sofre são as crianças.
Não se afaste dele. Isso é o que a mãe quer. Percebo o seu cansaço. Percebo a sua dor. Mas não reaga a quente.
Ele é seu filho e quer o seu amor e o da mãe.
Já pensou nas angustias que o Gonçalo poderá estar a passar e o sifrimento calado que ele poderá ter?
Não o condene porque mentiu de uma forma ostensiva. As crianças são assim. Mentem porque pensam que poderão "livrar-se" de um problema que os atormenta.
É natural que ele goste de ambos e para ele esta "guerra" seja um motivo de sofrimento interno.
Por favor nunca desista do seu filho se o ama, como diz amar.
O amor vence no final. Ele perceberá o seu aor por ele, quando vir que o pai não desistiu dele.
Acho que um pai ou uma mãe que amem de coração os seus filhos só deve desistir deles quando morrer.
Força. Sei que a encontrará através do amor que tem dentro de si.
Rezo para que o seu e de tantos outros pais se resolvam da melhor forma para que se evite o sofrimento das crianças que não pediram para nascer.
Acredite no seu amor por ele e em si!
Felicidades.

Anónimo disse...

Não desista! Afinal deve valer o "principio da verdade". Até pelos outros filhos! Coragem!

Anónimo disse...

Jamais irá abandonar o seu filho! São palavras de revolta. Com onze anos não se percebe que o amor de pai pode ser equivalente ao de mãe. Quanto a que um filho ama mais a mãe que o pai, enfim, Freud aparte, olhemos para a realidade.
O abandono materno, hoje, tornou-se simbolo de emancipação de género. Veremos o resultado disso no futuro...

Luisinha disse...

Sérgio, peço desculpa mas estou chocada com o que acabo de ler!! Tenho a certeza que o seu filho se mentiu, não o fez propositadamente, já imaginou os medos que ele pode ter? Já imaginou o que ele deve sofrer? Provavelmente foi coagido pela mãe, e se calhar errou, mas ninguém é perfeito, certo? E nós somos adultos podemos e devemos ter essa capacidade de perceber o que estamos a fazer de mal, de corrigir o que está mal, de agirmos de plena consciência. Não me parece que uma criança de 11 anos o consiga fazer com o mesmo discernimento que um adulto. Por isso não o culpe, e essencialmente não se afaste, ele sim parece-me ser a principal vitíma nesta história e precisa de si tanto ou mais do que o Sérgio precisa dele.
Um beijo e mais uma vez desculpe a sinceridade e frontalidade.

RL disse...

Sei bem o que sente. JRoriz, desculpará, mas que o filho é inocente... não sei! Agora que este pai o está a "punir"... essa não sei MESMO, antes duvido. Certo é que todos, TODOS, temos os nossos limites e quando os relacionamentos trazem angústia em vez de felicidade... há que ponderar. Não culpo MINIMAMENTE este pai - pode não ter feito tudo, pode não ter feito tudo "bem" (seguramente não fez!), mas fez muito e muito mais do que a esmagadora maioria do homens. Sente-se traído por um "desconhecido" - e "não se ama o que (quem)não se conhece!" - o que LHES é humanamente exigível?!
CULPA?! Culpa tem um "sistema" contemplativo e preconceituoso.

Patricia disse...

Estive a ler novamente o que escreveste, e todos os comentários e acho que com 11 anos (nao conheço o Gonçalo mas ja tive 4 primos com essa idade há poico tempo) já se sabe muito bem o que é o bem e o mal. O que está certo e errado. Com 11 anos já se tem gostos próprios, vontades e actitudes.
Se com 11 anos já temos autonomia e confiança para ficarmos sozinhos em casa, de ir para a escola sozinhos a pé, etc, também temos idade para ouvir um belo raspanete dos nossos pais quando erramos. Com 11 anos já devemos baixar a cabeça quendo levamos nas orelhas.
Uma criança com 11 anos que mente e sorri na "cara" não pode ser normal.

Nunca mais me esqueço de uma prima minha que uma vez mentiu sobre mim. Eramos miudas e eu estava atras da porta escondida. Ela não sabia e mentiu à mãe dela sobre coisas inocentes, mas condenou-me pelos brinquedos desarrumados, coisa que eu não tinha mesmo feito. Nessa altura eu tinha 11 anos. Sabia perfeitamente do que estava ali a acontecer. Fui ter com a minha mãe e exigi os pontos nos iii porque nao queria que a minha tia pensasse que a desarrumada era eu. Com 11 anos eu sabia que era inocente. Com 11 anos também sabia quando era culpada (porque também fiz coisas erradas nessa altura).
Mas muitas vezes só damos conta da borrada que fazemos quando os nossos pais nos chamam à razão. Com 11 anos, precisamos disso. Uma criança com 11 anos e esse comportamento não precisa que o abandonem. Precisa é que o eduquem. E educar não é apenas sorrir, beijar, cantar. Educar é também dar uns puxões de orelhas quando é preciso.
Se eu estivesse nessa situação, se me sentisse traída pelo meu filho, sentava-o no sofá, frente a frente com pai e mãe e questionava todas as suas actitudes.
Ele mente porque o permitem. Mente porque nunca tem os pais juntos para confirmarem a veracidade das situações. E se... o Gonçalo é mesmo muito bem tratado e feliz com a mãe, mas não demonstra porque mente?!?!?
E se ele mente sobre o pai só para agradar à mãe?
E se a mãe não confronta o Gonçalo na frente do pai, e se o pai não confronta o Gonçalo na frente da mãe, ele vai continuar a mentir para o lado que lhe dá mais jeito.

Pode parecer cruel, mas eu sou da mesma opinião de um comentário que li acima. Podemos estar a criar uns monstros.
Também sou mãe. Se um dia passar por uma situação destas, de um filho ter um comportamento irracional comigo, vai de certeza levar nas orelhas.

Conversem a 3 com o Gonçalo. Puxem-lhe as orelhas e mostrem que não é preciso mentir para se conseguir atingir certos objectivos. Deixa-o com a batata quente nas mãos.

Anónimo disse...

A si Sérgio, muita força e NUNCA MAS NUNCA DESISTA por mais que isso doa ou seja torturante! Força!
Quanto ao post Anónimo de 09/01/2010 às 23:51, quero apenas dizer a "essa Senhora" (que de certeza que é uma mulher) que certamente a Sra. fará parte do tal grupo completamente absurdo e certamente muito doente mentalmente de alienadores parentais, que usam e manipulam os próprios filhos para afectar o relacionamento dos mesmos com o outro progenitor.
Este tipo de pessoas devem apenas lembrar-se de uma coisa: "Deus não dorme!" e que "O feitiço vira-se sempre contra o feiticeiro!".
A todos os que atravessam situações idênticas ao do Sérgio, força e continuem sempre a lutar! A verdade vencerá sempre!

Anónimo disse...

lamento toda esta situação ,é deveras complicada sei que não é fácil e que ficou de coração partido,mas a pesar do seu filho ter errado acho que deve lhe dar um tempo se encontrarem e conversar tentar entender o que o levou a tomar esta atitude perante si , não deve desistir do seu filho,o mal dos adultos é fazerem as cabeças das crianças sem pensarem no mal que lhes causam ,não estou a dizer que o fez mas talvez a mãe . eu sou mãe e por mais que me custe deixaria o meu filho decidir mesmo que essa decisão fosse contra mim desde que podesse estar com ele sempre que nos apetecesse é assim que deveria ser . essa história que mãe é sempre mãe tem muito que se lhe diga nem sempre é assim. eu felismente considero-me uma boa mãe mas admito que á muitas por aí que deixam muito a desejar .
força não desista
quero voltar aqui e ler que voltou para o seu filho.
um grande abraço

Anónimo disse...

uma coisa é certa, a sua ex mulher armou-lhe uma armadilha muito bem pensada. Talvez ele tenha mentido, pressionado pela mãe. Talvez aquele teatro tenha sido todo planeado pela sua ex mulher que tenha dado ordens ao seu filho para agir daquela maneira. Talvez a mãe o tenha encostado entre a espada e a parede.
O menino tem 11 anos, não me parece que ele tenha delineado tudo isto, sem um adulto por trás. Ele tinha a opção de não mentir, mas até que ponto é que ele tinha, realmente, essa opção? Pense nisso! Só mais uma coisa, NUNCA devemos tomar atitudes radicais com ninguém, muito menos com uma pessoa de família. Deixe todas as possibilidades em aberto e não se zangue, nem desista. Porque isso talvez seja aquilo que a sua ex mulher quer.

Anónimo disse...

Não desista do seu filho... Ele tem 11 anos, teve tempos sem ter contacto com o pai (mesmo n sendo por opção dele a realidade é q a mãe predomina no dia-a-dia dele), quando voltou para perto de si existia um outro ser, o pequeno João, que certamente criou mossa no também pequeno Gonçalo! O João é pequeno e o Gonçalo diz que ele abre a porta do quarto propositadamente para que ele não tenha privacidade... Não me parece uma afirmação com um único sentido!
O Gonçalo tem 11 anos, é com certeza um menino inteligente e que tanto pode ter sido manipulado como todas estas mudanças e complicações podem moldado o caracter dele e esta ser a maneira que ele acha correcta para se proteger. A psicologa serve para avaliar o que ele disse e se ele fez um "circo" assim tão grande ela deverá dar conta disso e deverão achar esse comportamento como estranho...
Admira-me uma coisa, nunca tentou saber, conversando com o seu filho, se ele queria ficar consigo ou com a mãe?
Espero que nunca tome a decisão de desistir do seu filho sem saber a realidade dos factos. Se mesmo assim o tribunal decidiu que ele voltaria para casa consigo deve ter havido alguma razão.
Boa sorte e continue a sua luta

Rita_in_UK disse...

Olá Sérgio,
Tenho acompanhado o seu blog de há uns tempos para cá. Peço-lhe que pense num (ou vários...) cenários:
Imagine que a sua ex ameaçou o G. que o levava de volta para Angola caso a audiência não lhe corresse "de feição"... Se tivesse 11 anos, o que faria? O seu filho é um sobrevivente, nas mãos duma mãe que pelo que tenho lido é uma manipuladora nata. E o que o levou a mentir foi só e mais nada o instinto de sobrevivência :(
Um abraço sentido, porque eu não esperava de todo um desfecho assim...
Rita

Cristina disse...

Eu só posso pensar que está revoltado, magoado, e com toda a razão, mas pai que é pai mesmo nunca, mas nunca desiste de um filho, especialmente de um filho com 11 anos, uma criança!
Disse que ele sabia o que estava a fazer? Com 11 anos desculpe mas é uma criança e não mede as concequencias...
Nunca se desite de um filho, seja qual for a razão ou a idade dele...

Catarina disse...

Olá
sou uma mãe com uma vida cheia de enredos semelhantes, fui-o enquanto filha, enquanto enteada e agora como mãe... complicado não é???
Complicado é certo, mas ajudou-me a ter uma visão de lados diferentes, e depois de ler este ultimo post e sem conhecer o que está para trás, gostava só de deixar algumas reflexões...
a dor que sente é profunda, mas tente não personalizar, na verdade nós enquanto adultos exigimos de mais das crianças, exigimos que façam escolhas que são anti-naturais, como podemos obrigá-los a optar quando o que eles querem é ter os dois, crescer com os dois e partilhar os dias com os dois.
Independentemente do carácter, pai é sempre pai e mãe sempre mãe, são os verdadeiros e únicos que conhecemos ao nascer. Tenho um amigo que tem um casal de filhos com ele, mas é muito raro isto acontecer, neste caso nem querem ver a mãe e tem bem motivos para isso....
Diz no post que o amor que sentia por ele era genuíno nao esperava nada em troca... permita-me dizer q não é bem assim... afinal esperava...
Ame o seu filho tal como ele é e nunca o abandone, nunca deixe de o amar, isso sim, ele não iria entender.
Dê tempo ao tempo, fique sempre ao lado dele e tente compreender a pressão a que estas crianças são sujeitas. A primeira vez que entrei num tribunal para ser ouvida tinha 25 anos e tremi o tempo todo, baralhei-me e toda a gente me conhecia como sendo corajosa, forte etc etc
Eu sei que voces Homens são mais racionais nas análises e conclusões que tiram, mas por favor não deixe de o amar...
Amar o seu filho de forma incondicional significa respeitar as suas decisões, mesmo que no momento não entenda as motivações, quem sabe um dia tudo se clarifica, quem sabe um dia ele volta ao Pai porque sabe que o seu coração continua aberto e cheio de amor.
Por muito grande que seja a sua dor, lembre-se que há sempre uma razão para tudo, veja por detrás da dor, veja que mensagem ou desafio lhe trás este acontecimento...
Que Deus ilumine o Vosso caminho e o encha de amor. Desejo-vos tudo de bom.

Cristina disse...

P.s.
Tenho um filho com 21 anos e sou divorciada há 10 anos. Quando o meu filhote tinha 16 anos, decidiu abandonar-me a casa para ir viver com o pai, porquê? Porque o pai dava-lhe toda a liberdade que ele na altura queria, sendo um adolescente.
Vivi 2 anos sem ele, sem nunca deixar de lhe telefonar e tentar com que ele voltasse para casa, e ele sempre contra mim e a favor do pai porque na altura era o que lhe convinha.
Depois de 2 anos de viver com o pai, a madastra fartou-se dele, e começou a inventar problemas para ele lá em casa até ao ponto de o mandar para a rua. É claro que ele veio para minha casa novamente. E se eu tivesse desistido dele? Iria viver na rua? Quando estamos magoados dizemos coisas que um dia nos arrependemos.
Hoje o meu filho com 21 anos ainda vive comigo e não liga nenhuma ao pai, pois o pai quando a madrasta o colocou fora de casa, o pai não fez absolutamente nada e deixou o filho ir para a rua...
Hoje damo-nos bem graças a Deus, mas se eu tivesse desistido dele, aonde é que ele se encontrava agora??

Anónimo disse...

Infelizmente tenho na familia uma situação muito identica... Força, muita força é o que desejo.
No fundo as mães são as culpadas, não notam que o mal é da criança e que elas necessitam tanto de uma mãe como de um pai....

Anónimo disse...

Seio que está a passar e o que isso é. Não desista.

fénix renascida disse...

Há que averiguar bem esta situação. Haver um confronto, primeiro de pai e mãe, e depois o miúdo com ambos os pais.

Uma situação como a vossa -daquilo que eu percebo- é comum, com o filho a manipular ambos os pais, mais do que a ser manipulado por eles, ou por um deles.

Se tem provas do que diz, deve apresentá-las.

O seu filho mentiu, assim o diz. Mas esta situação, fostes vós que a criastes, não ele.

Ele é inocente, sim, apesar de provavelmente saber o que diz.

Por um lado eu entendo a sua reacção, mas por outro não.

Um pai jamais abandona um filho!

Aja de forma a que a verdade seja reposta, mas nunca de forma a prejudicar o seu filho.

Ele já foi muito prejudicado, com toda esta história.

Um abraço.

Anónimo disse...

Custa-me aceitar que uma sociedade que tão levemente (ou levianamente) aceite que os Pais (homens) passem somente um fds de 15 em 15 dias com os filhos, depois encha a boca para dizer que um Pai nunca desista de um filho.
Antes deste Pai desistir, desistiu a justiça que permitiu um afastamento de 3 anos, uma sociedade que hipocritamente continua a achar que um Pai por mais que lhe façam tem que, qual Super herói, continuar a lutar contra tudo e contra todos, até contra o seu próprio filho, que mesmo manipulado tomou a decisão que se calhar na sua cabeça de 11 anos lhe trará Paz.
Caro Sérgio, como no meu dicionário para sempre e para nunca não existe, digo-lhe como Mãe, que numa situação como a sua, provavelmente também desistiria. Como Mãe imagino também a dor que estará a sentir, como tal nunca seria capaz de o julgar com frases politicamente correctas.
Espero contudo que um dia encontre forças para voltar a lutar, espero que um dia aceite mesmo sem compreender, espero que nesse dia perdoe, espero que um dia veja que há muitas formas de lutar, e que nessas formas encontre alguma Paz. Tudo de bom

aprendereorganizar disse...

"Caí" um bocadinho de pára quedas, estou arrepiada com o pouco que consegui ler, sinto muito, espero honestamente que seja feita justiça, desejo muita sorte e muita energia porque os nossos filhos são a nossa vida;)

fénix renascida disse...

Aconselho a leitura de artigos que falam sobre "o direito de mentir".

Por causa deste post, escrevi hoje sobre este assunto no meu blog.

A quem esteja interessado, convido a ler.

Anónimo disse...

Uma Criança de 11 anos, é isso mesmo, uma criança. Aos 11 anos pode "pregar" uma partida e pensar que é um jogo inocente, para 2 ou 3 anos depois se arrepender. Ou mesmo apercebendo-se do que está a fazer ainda não tem maturidade e conhecimento suficiente para julgar das verdadeiras consequências e do verdadeiro peso dos seus actos.
Por isso é muito triste por-se determinadas decisões em cima dos ombros das crianças, pedindo-lhes testemunhos e que decidam, que escolham...
Os Pais, tanto o Pai como a Mãe é que deveriam ser adultos suficientes e poupar as crianças a estes traumas.COMO? Entendendo-se entre eles, pondo o interesse da criança á frente das suas lutas pessoais, mostrando assim que sabem o verdadeiro significado da palavra RESPEITO. E acima de tudo respeito pela criança que ambos trouxeram ao mundo.

CB disse...

Como alguém disse aqui num comentário,desistir do seu filho é o contrário de tudo o que está escrito neste blog. Realmente é normal que esteja cansado, triste, amargurado, decepcionado e até revoltado, mas o seu filho é só uma criança com 11 anos, no meio de uma guerra, que espero que não tenha tido aqui a sua última batalha...

Anónimo disse...

Caro Sérgio...
Não me cabe a mim nem a ninguém julgar o que possa considerar mais correcto ou adequado a fazer.
Deixo, por isso aqui, a única coisa que posso partilhar consigo que é a minha experiência pessoal.
Fui também rotulado de mau pai e marido aquando de um divórcio litigioso no qual abdiquei de tudo o que se tratasse de bens materiais e começando novamente do -1, ficando tão somente com as visitas possiveis ao meu filho mais velho e visitas supervisionadas pelos avós maternos à minha filha mais nova, então com menos de 1 ano, por a mãe alegar receio de maus tratos à bébé (coisa que nem imaginava ser possivel no sistema judicial português...). Cedi!
Engoli vários sapos bem grandes, como acredito que muitos engulam...
E vivi calmamente a minha vida com um único objectivo, o de não me arrepender de nada que viesse a dizer ou fazer com os meus filhos.
Aprendi que tambem eles tem uma perpectiva da sua própria situação, seja ela idêntica ou não à nossa, e que deve ser respeitada pelo dever que temos como pais de criar pessoas adultas que pensam pela própria cabeça, mesmo correndo o risco de serem manipulados, coagidos ou forçados (coisa que por vezes pode acontecer por si próprios sem auxilio directo de mais ninguém...)
Quero com isto dizer que mesmo que o seu filho tenha errado, tem o direito de o fazer, pela idade, pela situação, pelo medo ou até por, quem sabe, o considerar a si mais forte que a mãe para o poder "mandar abaixo" com a certeza que o seu amor não vai terminar...
Nós erramos e eles, naturalmente, também...
Por vezes o que mais custa a aceitar é que os nossos "bébés" crescem e deixam de ser perfeitos, não será?
O meu filho mais velho escolheu aos 11 anos, de livre vontade, viver comigo (o que tem coisas boas e más) e a minha filha mais nova (hoje em dia já é a do meio) ainda hoje fala comigo com ar de quem me considera idiota... :)
Mas o tempo vai passar e o importante é respeitá-los e fazermo-nos respeitar para que eles percebam que também somos humanos e nos sentimos magoados.
Ao contrário do que todos dizem o amor não é de facto incondicional e é importante que existam dois factores essenciais..., respeito mutuo e perdão.
Peço desculpa mas achei que poderia ajudar em qualquer coisa e agradeço o permitir-me este desabafo...

Grande abraço

Mãe P. disse...

Custou tanto ler estas últimas novidades, e eu a pensar que estariam felizes, a avaliar pelo último post que tinha lido e em que estavam juntos.
Deve ser uma dor tão grande o que está a passar que não se imagina, agora o que acho, que o Gonçalo TEM de ser acompanhado, ele tem 11 anos, lutem pela personalidade dele... não deve ser nada fácil encherem-lhe os ouvidos de um lado e depois lidar com uma realidade tão harmoniosa como a que tem quando vive consigo e com o irmão.
Porque não tentar perceber o porquê dele ter feito isso? O porquê de estar a rir num momento e no seguinte desatar a chorar e a correr para a mãe, para depois ir contar esse chorrilho de mentiras? Eu não me atrevia pelo menos a ficar sem resposta para estas perguntas.
Força e tente perceber o que vai na cabeça de um miúdo de 11 anos que anda no meio desta luta de adultos.
Bjs

Mireille Amaral disse...

Lamento... o seu sofrimento deve ser atroz. Convenço-me, cada vez mais, que ninguém conhece os seus filhos, verdadeiramente, a personalidade deles. Não desista dele. Um dia ele volta.

Susana Pina disse...

Fiquei sem palavras, porque simplesmente não existem palavras que possam justificar uma atitude como a do Gonçalo.
Lamento Sérgio por tudo o que está a passar.
Deixo um abraço muito sentido
Susana

Odele Souza disse...

Sergio,

Estou chocada com o que li e desolada por todo o tempo em que lutaste para ter Gonçalo contigo e acaber assim, desse jeito. Estou sem palavras para expressar o quanto lamento por ti.

Siga em paz Sergio. Fizeste o que te foi possível fazer. Cuida de tua atual família, cuida de ti.

E não vejo isso como abandono a Gonçalo, mas como uma tregua, um tempo para que ele cresça e aí sim entenda e tenha discernimento para decidir o que achar melhor para a vida dele. Enquanto isso amigo,procure não sofrer.Siga em paz sabendo que lutaste até não mais poder para ter o teu filho mais velho junto de ti.

Siga em paz. Em paz contigo mesmo.

Um forte e carinhoso abraço.

fénix renascida disse...

Os filhos são o que nós, adultos, fazemos deles. Conforme agirmos, assim eles agirão.

Sobre a questão de decidir de livre consciência, posso dizer que eu decidi, aos 12 anos, de livre consciência -mas com imenso pesar- não voltar para casa dos meus pais, mas para o internato, onde eu vivia já há alguns anos.

Pois é, eu já tenho uma larga história. Aprendi, com a minha infância, que as crianças sabem melhor do que nós, adultos, o que é melhor para elas.

Evidentemente há aquelas que se deslumbram com um outro mundo, que até aí não conheciam, e que julgam que esse mundo é o melhor. Falo das crianças que escolhem viver com um dos pais, iludidas de que aí serão mais felizes do que eram no outro lado. Não necessariamente.

Eu defendo que o melhor mundo para estas crianças não é um mundo onde elas podem ter tudo e mais alguma coisa, mas um mundo onde elas terão os valores necessários para se defenderem na vida (não é isso que as fêmeas fazem na natureza, quando ensinam aos seus filhotes o essencial para se tornarem autónomos?) e, sobretudo, muito amor.

Leiam os meus posts, e verão que eu não estou contra ninguém, mas unicamente a favor dos inocentes: as crianças.

Um abraço.

Katty disse...

Sergio: estou parva com o que acabo de ler.
Não desistas,
O Gonçalo é uma Criança que foi manipulada …

Coragem

Bjos

Katty disse...

Sergio: estou parva com o que acabo de ler.
Não desistas,
O Gonçalo é uma Criança que foi manipulada …

Coragem

Bjos

Jaime Martins disse...

Caro Sérgio:
A sua luta, o seu blogue, e a coragem com que sempre partilhou a sua situação, têm sido sguramente uma inspiração para alguns. Entendo, e bem, o desalento que sente. Nestas tristes e reais histórias, em que um progenitor é amputado do mais genuino dos sentimentos, o Amor, não há heróis. E torcemos, finalmente quebramos, pois a dor é mais forte. Sei que não desistirá da sua luta. Isso é impossível, perante tanta autenticidade revelada neste blogue. Digamos que fará um intervalo na luta, dando o espaço para que o seu filho se encontre a si próprio, se liberte das pressões que o atormentam. Estou certo que o Sérgio, tal como todos nós amputados desse amor único, saberá receber o Gonçalo quando o momento chegar. Os posts podem acabar, o blogue ser encerrado, mas o Amor, esse permanecerá sempre. Basta não o contrariar, e aceitar que há percursos, que por dolorosos que sejam têm que ser percorridos. Deixo-lhe um abraço inconformado, mas como sempre, solidário.

Anónimo disse...

Grande amigo... o mesmo se passa comigo e com o Rodrigo, mas tenta entender que como educadores que somos por vezes é relativamente fácil manipular a cabeça de um menor... tem paciência... pois de uma coisa tenho a certeza que ainda vamos ser felizes na companhia dos nossos primeiros filhos com as actuais famílias... Um fortíssimo abraço deste sempre amigo, Néné.

Márcia e Sara disse...

Já pensou que a mãe o pode ter de alguma maneira obrigado a mentir. Sinceramente é essa a minha ideia
Beijinhos

Sónia disse...

Não se desiste de um filho. Por mais idade que tenha por pior que faça. São nossa responsabilidade e mais que isso somos a sua cama. não temos de apoiar mas não podemos deixá-los. por mais que custe! ser pai ou mãe pode não ser fácil pode ser muito dificil às vezes, mas sendo não nos podemos abster de um dever tão essencial como esse: não desistir de um filho!

Anónimo disse...

Compreendo a atitude. Sei que se um dia o Gonçalo "voltar", o coração de pai o acolherá. Mas entretanto vocês os 3 precisam de paz, de viver a vida, a família, o amor... Tudo de bom!

Anónimo disse...

só com este post já se ve ke n es bom pai..
desistir dum filho é a pior coisa ke um api ou mãe pdoe fazer..por isso as tretas ke escreves n passa disso mesmo tretas

fénix renascida disse...

Sérgio, eu vou dizer-lhe uma coisa que, se calhar, não esperava que viesse de mim:

pelo amor de Deus, não desista do seu filho!!!

Não lhe impinja nada, não qeira nada em troca.

Mas, se o ama verdadeiramente, como o Sérgio diz, mostre que você continua lá e que, se ele quiser, terá a sua porta e o seu coração sempre abertos. Eu quero acreditar que sim, que, como pai, você terá.

srevoredo.blogspot.

Um abraço:)

D. Fernandes disse...

Embora tenha posto fim ao seu blog acredito que acabará por ler os comentários. Lamento que tenha passado por isto, infelizmente passei exactamente por tudo o que descreve, no meu caso de mãe, fui acusada de negligencia, de os deixar passar fome(se é que alguma mãe o fará!!!!!) e de tantas outras coisas, falamos de crianças ligeiramente mais velhas que o Gonçalo e o que mais ainda me doeu foi ler cada palavra deles no relatório, chorei, de raiva, de tristeza e pensei "Meu Deus, onde é que eu errei?"" Nem fui eu que abandonei a casa mas sim o pai!".
Mas vou-lhe dizer algo que já aqui foi postado nos comentários, o Gonçalo vai voltar, os meus filhos voltaram quando aos 18 anos o pai os "convidou" a saír de casa.
Se os recebi, claro que sim, se os olho da mesma forma, claro que não!!!!! Traíram tudo aquilo em que sempre acreditei e na forma como julguei tê-los educado. Tenha força e coragem Sérgio, tem uma nova família daí vai tirar a motivação para continuar.

Anónimo disse...

Não o conheço mas acabei por ver este blog e fiquei chocada com este último post. Aliás não vou ler mais nenhum, pois só devo dizer que se o seu filho mentiu ainda bem que o fez pois sabia que o pai havia de o abandonar e desistir de um filho só porque não lhe fez as vontades...sinceramente não merece ser pai! E ainda bem que o seu filho desistiu de si!

Anónimo disse...

está a abandonar o seu PRIMEIRO filho pela segunda vez!!! Já o abandonou por uma mulher, depois deu-lhe um irmão que o tem como pai TODOS os dias, e ele??? o seu filho de 11 anos??? Ele tem um medo horrivel de perder a mãe como já perdeu o pai. Deixe de olhar para o seu umbigo e da sua querida segunda familia... estropiou a vida do seu filho, deixou-lhe marcas para sempre. Voce e todos como você... que pensam que são um modelo de .... enfim, desperdiçar palavras para quê...

Anónimo disse...

Concordo que nao és nada bom pai.
E vir para aqui escrever quase todos os dias um testamento enfeitado e de quem nao tem nada para fazer.
Dedicate a pesca pá!

Sistema marcial evolutivo disse...

Ir à luta
Ir à luta...
por vezes é necessário ir à luta
numa forte contramedida não escusada
movido pela estima a quem errou.
Ir à luta,
por vezes è necessário ir à luta
num acesso de pura compaixão
pela causa do sofrimento de alguém
Ir à luta,
por vezes è necessário ir à luta
não o confundir com agressão
é antes revolta que alerta a razão.
Ir à luta,
por vezes é necessário ir à luta
mas... não nos deixar-mos envolver na própria luta
é a verdadeira luta que da luta vem.
Ir à luta, só se necessário ir à luta
e lutar com todo o poder que a dignidade tem.
Ir à luta...
por vezes é necessário ir à luta...
Autor: Luciano Moura, Mestre fundador do KMD - Sistema marcial evolutivo

Dulce disse...

Entre ontem e hoje li o seu blog do princípio ao fim. A mim, que estou de fora, parece-me compreensível que um menino de 11 anos, que foi constantemente manipulado, tenha mentido. Acho que devia procurar perdoar-lhe. É seu filho para sempre, afinal. E com isto não quero tecer juízos sobre a sua evidente decepção, sobre a sua mágoa que acredito intensa. É apenas uma opinião. Não se devem julgar as crianças pela mesma bitola dos adultos, porque as crianças não têm as mesmas defesas. E mesmo assim até nós, os adultos, fraquejamos e traímos.
Apesar de tudo, compreendo-o.

Anónimo disse...

Olá Sérgio só hoje e por acaso, vi o seu Blogg.
Não sei se a Psicologa do tribunal em Janeiro será a mesma que lá está hoje penso que sim, mas se assim for não me parece ser a melhor.
Digo isto porque tambem lá ando.
E sinceramente nao me parece que faça o melhor pelos miudos.
Mas nao deixes de lutar pelo teu filho tem força, nao sei se será possivel pedir uma outra psicologa la no tribunal e rever tudo. Ao menos tenta.FORÇA.

Anónimo disse...

Olá Sérgio, tive a ler o seu blog por acaso.
Infelizmente também eu ando nestas andanças.
No que diz respeito a psicologa do tribunal que em principio será a mesma nesta altura, não me parece ser a melhor nem estar tão interessada no que os miudos querem (vejo por mim), a minha filha tem a idade do seu filho 11 anos.
Vi que também anunciou o fim do blog porque desistiu do seu filho, não faça isso continue, a lutar por ele, vai ver que um dia destes vai ser recompensado.
Força e lute.

Leonor Lourenço disse...

Que texto mais triste e pungente. Deve ser uma dor difícil de superar. A mágoa um dia pode minimizar e ele ir vendo as coisas com outros olhos. A vida ensina-nos muito, mesmo aos 11, 12, 13 anos...
Um abraço sentido
Leonor

Délio disse...

Meu amigo, tive a oportunidade de ler parcialmente o seu blog, e sei o que é um pai ficar longe de seu filho. Atualmente estou separado e sei o quanto doi não te-lo ao meu lado todos os dias e pra relatar os momentos que ficamos juntos, criei um blog. Espero que leia também.
Dê tempo ao tempo e com certeza seu filho se arrependerá do que fez, e nesse dia abrace-o e beija-o muito porque nesse momento estará começando uma nova história de pai e filho

Meu blog
www.sublimeamordepai.blogspot.com

Délio Santos
deliossantos@ig.com.br

élia disse...

AMIGO Á MUITO QUE NÃO TENHO NOTICIAS SOBRE A SITUAÇÃO COM O SEU FILHO GONÇALO, GOSTARIA DE SABER SE CONSEGUIRAM CHEGAR AO BOM SENSO E A CRIANÇA COMO ESTÁ ? ESPERO QUE TENHAM RESOLVIDO A SITUAÇÃO E ESTEJA TUDO BEM.
UM ABRAÇO
ATÉ BREVE

eu disse...

Pois eu mãe desisti de meu filho!
qdo me separei de meu marido fiquei na pior e ele ficou com otima situação financeira, por isso de pleno acordo dos 4 eles ficaram com ele, mas nos viamos direto, moravamos na mesma cidade. Depois mudei de cidade mas continuei a falar ao telefone e eles me visitarem,então com o pai eles tiveram tudo de bom que o $$ pode comprar, e o mais novo saiu igual ao pai hj ele tem vergonha da minha casa simples, nao traz amigos, nao vem e nem me liga, moramos na mesma cidade, e de tanto chorar ,decidi desistir dele, nao ligo e ja nem sinto tristeza qdo ouço falarem dele. Sera que sou um monstro. com meu outro filho nos amamos.

Joana disse...

Li o seu blog em dois dias..e fiquei realmente chocada com tudo o que se passou.. Dou por mim a pensar nos casos de crianças que são mal tratadas pelos pais e que (em alguns casos) o tribunal consegue travar a situação. Para mim a destruição completa dos laços afectivos que unem pai e filho, é tão grave como uma situação de maus tratos. Porque apesar da dor fisica não estar presente nem sinais físicos, a ferida psicológica está lá..Se virmos bem, quando uma criança é abusada, aquilo que marca para sempre é a sua personalidade, o seu modo de ver o mundo..
Outra coisa que a mim me chocou, foi ver os comentários maliciosos e com falta de caracter do "anónimo" (para mim oi sempre o mesmo). Se as pessoas querem responder a um blog que o façam porque querem da apoio, porque se é para dizer mal, que se metam na sua vida, pois nunca se sabe o que o futuro nos reserva. Como diz o ditado" O que cá se faz, cá se paga".
Relativamente à atitude do autor, parece-me que fez tudo o que esteve ao seu alcance. Os meus siceros parabéns por mostrar o que é ser um verdadeiro PAI!
Quero deixar apena um último comentário sobre estes ultimos comentários.. O pai não culpou o filho, apenas ficou desiludido com as suas atitutes. Mesmo que manipulado (que qualquer um percebe que foi) o filho escolheu e o pai respeitou a sua decisão. Quem ama respeita o próximo, mesmo que sofra (como deve sofre com a saudade).
Espero que o Gonçalo tenha um dia tempo para poder olhar para o passado e ver a verdade à sua volta. Independentemente da sua decisão ele merece ver a verdade, e essa só há uma..Tem um pai que o ama, sempre o amará e que lutou por ele até ao dia em que teve de o deixar decidir..
Desejo-lhe as maiores felicidades e que o João saiba aproveitar o pai que tem!

diogo filipe disse...

força

diogo filipe disse...

força

Anónimo disse...

Não desistas . Estou a passar o mesmo inferno que tu...só me apetece por uma corda ao pescoço e terminar com isso , mas n pode ser...luta pá , n sejas cobarde...luta como eu luto , já derramei mt lagrimas , já pensei em mil loucuras , n desistas ....

A vida e uma merda...n a tornes pior

Anónimo disse...

Compreenssivo de sua parte, mas essa criança foi manipulada e não tem nenhuma culpa do que fez, voce deve ter o mesmo amor que vinha tendo e tentar reconquista-lo novamanete, que ao longo dos anos ele crescendo amadurecendo verá o erro que cometeu e que enganosamente causou sofrimento ao seu pai poderá até voltar a ser o mesmo filho que sempre foi, portanto não se deixe levar... seu filho tambem é uma vítma, pode ter certeza,é simplesmente uma criança.
Pelo visto a mãe é a única manipuladora!
Boa sorte!

joaquim oliveira disse...

Há um ano estive tentado a escrever para te dar um abraço de conforto e de esperança.
Esperei até agora para tentar saber se reconsireras-te na tua decisão.
Compreendo-te perfeitamente, eu e muitos milhares de Pais de Crianças vitimas de alienação.
Nenhuma criança quer de livre vontade escolher viver com um Pai e ter o outro como mera Visita.
O teu menino tal como cerca de 95% das crianças na sua situação, é Vitima da maldade materna.
O teu menino não te traiu, no seu intimo talvez tenha pensado que te estava a proteger.
O teu Filho, tal como o meu, è um Heroi que trava tal como nós, uma luta desigual.
Nunca abdiques do dever de proporcionar ao teu Filho o direito de crescer junto de Ti.
Abraço Amigo
Joaquim Oliveira

Anónimo disse...

E novidades?

Joana disse...

Faz hoje 1 ano...

Anónimo disse...



«Continuou: Um homem tinha dois filhos. Disse o mais moço a seu pai: Meu pai, dá-me a parte dos bens que me toca. Ele repartiu os seus haveres entre ambos. Poucos dias depois o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para um país longínquo, e lá dissipou todos os seus bens, vivendo dissolutamente. Depois de ter consumido tudo, sobreveio àquele país uma grande fome, e ele começou a passar necessidades.Foi encostar-se a um dos cidadãos daquele país, e este o mandou para os seus campos guardar porcos. Ali desejava ele fartar-se das alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava. Caindo, porém, em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui estou morrendo de fome! Levantar-me-ei, irei a meu pai e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e diante de ti: já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus jornaleiros. Levantando-se, foi para seu pai. Estando ele ainda longe, seu pai viu-o e teve compaixão dele e, correndo, o abraçou e beijou. Disse-lhe o filho: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei-me depressa a melhor roupa e vesti-lha, e ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés; trazei também o novilho cevado, matai-o, comamos e regozijemo-nos, porque este meu filho era morto e reviveu, estava perdido e se achou. E começaram a regozijar-se. Seu filho mais velho estava no campo; quando voltou e foi chegando à casa, ouviu a música e a dança: e chamando um dos criados, perguntou-lhe que era aquilo. Este lhe respondeu: chegou teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde. Ele se indignou, e não queria entrar; e saindo seu pai, procurava conciliá-lo. Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo, sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para eu me regozijar com os meus amigos; mas quando veio este teu filho, que gastou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado. Replicou-lhe o pai: Filho, tu sempre estás comigo, e tudo o que é meu é teu; entretanto cumpria regozijarmo-nos e alegrarmo-nos, porque este teu irmão era morto e reviveu, estava perdido e se achou.» (Lucas 15:11-32)

Anónimo disse...

Sergio,sergio,sou mãe,sei o que tu sentes,ja fui ou tão mais maltratada porém continuei amando e amo.Se o que queriam era isso conseguiram,ame sempre um filho.Tenho uma amiga que mesmo amando precisou fugir,o rapaz é um viciado ,roubou a casa toda,ja bateu neles,e os traficantes puseram fogo no carro da família e iam matar o cachorro e uma tia,o resultado foi a fuga e ninguém sabe aonde estão.Pense nisso.

Anónimo disse...

Concordo com sua atitude e estou passando por uma situaçao parecida com a sua, so que com um filho de 29 anos.Cuido dos filhos desde que um tinha 3 anos e outro 6 anos.Tive problemas serios no casamento sai de casa. Ralei, chorei, esqueci de mim para cuidar de meus filhos, so, sem pensao de marido, sem ajuda dos seus familiares, contando apenas com meu pai e mae.Hoje meu filho trabalha em SP, ajudei ate o fim deste caminho, ouvi ele, chorei com ele, e sabem o que ouvi?Meu pai e melhor do que voce ( pai ficou ausente ate mais ou menos a idade dele de 26 anos)e voce não fez mais que obrigacao.Eu hoje posso dizer eu so vou rezar muito por ele, porque fui humilhada por ele ate a ultima gota, mas suas palavras nao estao perdidas no vento e eu digo de coraçao, eu desjo a ele o melhor que uma vida possa oferecer, mas nao quero ve-lo mais.Entao veja nos nao precisamos passar por isso, fazemos nossas escolhas tambem e a minha agora aos 56 anos e a de pegar os cacos e comecar a viver a minha vida.Espero que voce seja muito feliz com esta sua familia.

Ana disse...

Dê-nos notícias... Não passa um dia sem que me lembre de como estarão as coisas. Por favor!

é nois disse...

Força!!!

é nois disse...

Posso lhe falar que hoje recebi um laudo de uma assistente social, o qual me deixou perplexo, hoje estou pensando em desistir do meu filho.
Estou Eu e minha Familia a 16 meses sem convívio afetivo, tenho um processo de Alienação Parental Tramitando, e o que mais vejo são mentiras para conflitar o Judiciario.

Nessas mentiras e verdades dos fatos ocorridos, a Assistente Social afirmou atitudes e comportamentos que não condizem com a realidade, ajudando o Alienador em seu Processo, tive até nos Processos uma entrevista com Psicologo Judiciário, onde não foi comunicado a Agenda, sendo assim ambos Requerente e Requerida não compareceram...e porque??? Negligencia, Pilantragem ou Descaso!

Só sei que meu filho tem 5 anos, já esta totalmente Alienado, confuso e com MEDO!

O que posso fazer, o Alienador vai tentar de todas as formas se Proteger, eu tentarei fazer parte da Vida de meu Filho, e mesmo que consiga, a posterior quem vai sofrer com isso é ELE!

E nessa cultura a qual uma FDP escreveu ak, que para mim é isso, disse Que Mãe é Mãe, com um comportamento exclusivista, esquece Que PAI e MÃE são distintos e indispensáveis na Vida de uma Criança!!!

Como ajudar nossos Filhos??? Como um processo de Convívio pode ser Equivalente, já que este é o correto!

Pelo jeito nunca, e quem sofre por isso são nossos filhos, os ALIENADORES vão persistir sempre, mesmo com uma perda de guarda, aumento de convívio ou etc...!!!

Faltas Penas Pesadas como a Cadeia que ocorre nos EUA, para inibir o que estas pessoas fazem!A Guarda Compartilhada Obrigatória em uma separação, e principalmente acabar com esta FEMINILIZAÇÃO EXCESSIVA, 90% dos casos de ALIENAÇÂO PARENTAL são causados por MÃES que detem a guarda e acham que tem PODER SUPREMO sobre elas, usam ferramentas pesadas de tortura psicologica, e falo isso porque passei por isso na minha INFÂNCIA, e nunca desejei este mal ao meu filho.

Sinceramente estou com o mesmo pensamento, não a JUSTIÇA, os ALIENADORES continuam por ai, a SOCIEDADE os aceita, e ainda nos PAIS que somos CRIMINALIZADOS pela SOCIEDADE.

Se não desistir, quem ira sofrer mais será meu FILHO, este é o meu pensamento neste MOMENTO, porque se fosse CONTRÁRIO não estaria pensando em MIM e sim NELE!

Acredito que este seja o mesmo que seu, assim como EU, pense mais se essa é a melhor ATITUDE, um dia pode ser cobrado por ELE!

Grande Abraço e muitas Forças!!!

Luis de Sá Nunes Bento disse...

Lamento saber que existem tantos casos parecidos.
Ontem fui sentenciado em tribunal a uma pena suspensa de 2 anos de prisão.
O meu filho com 21 anos foi testemunha da mãe e mentiu com todos os dentes, disse absurdos próprio de uma mente perversa sorrindo para mim com a maior satisfação possível.
No meu intimo somente não penso que ele possa estar maluco porque a mãe obteve a sua vingança.
Meu filho foi por mim mimado, nunca lhe bati, sempre lhe dei as coisas que desejou, pensava ter sido um companheiro e amigo na vida, íamos ao futebol juntos e conversávamos bastante.
Sinto-me enganado e triste na essência do meu ser.
Desconheço onde falhei...