sábado, 19 de dezembro de 2009

Adiado?

Continuo sem saber nada de concreto sobre a chegada do Gonçalo!
É espantosa a serenidade com que corre a vida de todos, a calma, a aparente tranquilidade e alegria sem que ninguém pareça preocupar-se com as consequências de cada acto.

Eu continuo na expectativa de uma informação válida e credível, continuo a planear os próximos dias na companhia do Gonçalo mas, na verdade sem estar certo de que o verei tão cedo! Espantosa realidade! Acabei de lhe tentar falar para Angola. Tentei várias vezes, o telefone tocou mas, como é habitual ninguém atendeu.

Julgo ter tido oportunidade de referir num post anterior que a mãe do Gonçalo trocou alguns mails comigo. Na altura, por diversas razões, mormente para evitar um excesso de exposição mais dela do que meu, decidi não publicitar mas hoje, hoje quando estava a reler os mails numa tentativa de chegar a alguma conclusão, decidi publicar o último que recebi e a minha resposta ao mesmo.
«boa noite
Sérgio ... Andrade
Quando você quiser Parár de fazer os seus filmes, como o das chamas telefónicas para angola e as rondas em casa dos meus familiares e escândalos.
Eu já estou farta de perder tempo consigo , portanto deixe se mas é de fazer esquemas, no qual você é perito e lamento que esteja a esquecer se do principal que é o Gonçalo Pare ESTA A FAZER MAL , a nossa conversa termina aqui ,quando estiver melhor falaremos .
As ferias de verão do Gonçalo para ir a Portugal será em Janeiro por vários motivos,mas eu ainda não tenho uma confirmação mas acho que se for dia 16 de dezembro2009 o Gonçalo era passar consigo uns dias a seguir á chegada a Portugal por exemplo dia 18 ás 19:00 horas até ao dia 20 até 19:00horas , depois pode se combinar a hora ,depois passa comigo a semana desde 21 até 3 de Janeiro e irá novamente para si dia 3 de Janeiro a noite ( hora combinar) até 31 de Janeiro 2010 assim completa os 30 dias no qual me comprometi-me .
O gonçalinho ligará quando estiver ai não se preocupe, para o seu telemóvel ...
Como no ano passado Gonçalo passou o mês Dezembro incluindo natal e fim de ano acho que será de bom senso que este ano passe comigo .por isso comunico com ante cedência para que você possa organizar a sua vida para estar com o Gonçalo .»
Recebido este mail, petrificado, respondi:
«M ...,
Sem comentar os despropósitos que aqui escreves, reitero tudo quanto disse nos mails anteriores.
Assim, permanecem em falta as informações certificadas quanto à saúde e desenvolvimento escolar do nosso filho Gonçalo que, como sabes estão previstas no Acordo homologado em Tribunal e nunca me foram entregues. Entretanto, continuo a não ter sucesso nas tentativas de contacto com o Gonçalo. Utilizando o sexto número de telefone que me foi indicado, tenho ligado todos os dias mas, sem surpresa nunca consigo falar com o nosso filho. O mesmo se tem passado com os meus pais, avós paternos do Gonçalo e com o meu irmão, tio e padrinho do menino.
O mail infra não é claro e, consequentemente não se consegue entender a data exacta em que o Gonçalo chega a Portugal. Devo considerar o dia 18 de Dezembro? Uma vez mais alerto para o previsto no Acordo quanto a esta matéria.
Pese embora eu disponha do mesmo número há mais de quatro anos continuo, sem surpresa a não receber nenhum contacto do Gonçalo.».
Depois deste dia, depois do contacto com o meu filho que relatei no post anterior, não voltei a receber qualquer informação. Nem mesmo o advogado que representa a mãe do Gonçalo respondeu à solicitação do meu advogado!

Mas, sobre aquele mail…

O português:
Ao ler o mail que transcrevi não consegui, apesar de tudo, apesar de tantas experiências anteriores, apesar de tantos anos a saber que era assim, a verdade é que não consegui ficar indiferente à forma de escrita. Senti tristeza e grande preocupação. Escrever bem ou pelo menos razoavelmente bem é essencial. Temo que o Gonçalo perca muito neste ponto. É chocante como uma jovem, como uma pessoa com a idade da mãe do meu filho escreve assim. Chocante!

As chamadas para Angola:
De facto ligo inúmeras vezes para Angola. Claro que ligo, claro que vou continuar a ligar. O meu filho Gonçalo tem 10 anos, vive algures em Angola e, como é evidente quero falar com ele, ter contacto com ele, saber como está, como se sente. Vou ligar sempre. Vou ligar sem desistir mesmo que continuem a não me atender as chamadas.

As alegadas rondas e escândalos:
A grande maioria das pessoas que acompanham o nosso blog não me conhecem mas, garanto, nunca fiz um escândalo em toda a minha vida. Aliás, sinto-me muito desconfortável perto de pessoas que falam demasiado alto, perto de pessoas que discutem em público sem cuidado com os outros. Nunca fiz um escândalo em toda a minha vida. Nunca o fiz mesmo quando me insultaram e agrediram em frente ao meu filho Gonçalo. Não o farei hoje, não o farei nunca.
Por outro lado, é verdade que muitas vezes me desloco ao local onde fica a residência da mãe do Gonçalo em Portugal. Continuarei a fazê-lo e ninguém me impedirá. Faço isso acompanhado pela minha família, pelos meus amigos, por todos os que vivem esta situação ao meu lado. Reparem que o ano passado, no dia 6 de Dezembro de 2008 encontrei o meu filho Gonçalo a sair de casa, em Portugal e eu nem imaginava que ele aqui estava. Passar lá, verificar se não estão de facto em Portugal é uma necessidade óbvia, é uma forma de não ficar parado à espera que outros, os Tribunais resolvam um problema, um sofrimento que é meu, com o qual, em boa verdade muito poucos se preocupam!

As nossas passagens de carro por aquele local não prejudicam e nem perturbam ninguém. Aliás, só nos prejudicam a nós…a mim e à minha família, às pessoas que tantas vezes nos acompanham sempre, mas sempre com esperança de, à semelhança do que aconteceu o ano passado, encontrarmos o Gonçalo em Portugal.

Fazer mal ao Gonçalo:

…nem consigo comentar! Presumo que a mãe do meu filho mais velho projecte em mim aquilo que ela própria é, faz e pensa.

A data de chegada a Portugal:

Difícil de entender o que se pretende dizer com o que ali está escrito. De uma forma ou de outra hoje é dia 19 de Dezembro, o Natal é na próxima semana e do Gonçalo nenhuma novidade.

O ano passado e o alegado bom senso:

Se bem se recordam o ano passado, depois de encontrar o meu filho em Portugal, passei com ele a tarde do dia 6 de Dezembro. Ficamos juntos depois entre os dias 17 de Dezembro e o dia 2 de Janeiro. O Gonçalo voltou a Angola a 31 de Janeiro de 2009 mas, ainda assim não o vejo desde 2 de Janeiro de 2009! Contas feitas passei com o meu filho, desde 21 de Outubro de 2007 até à data 16 dias! 16 dias em mais de dois anos e é a mim que pede bom senso?

Honestamente só me apetece dizer: Cura-te! Bom senso é algo que tenho tido em excesso ao longo destes anos. Ademais, o acordo lavrado em Tribunal estabelece que o Gonçalo passe este Natal na minha companhia.

Dia 24 de Dezembro irei buscá-lo a casa da mãe. Caso ninguém atenda chamarei a polícia e farei nova queixa crime contra a mesma.

Aliás, a respeito de queixa crime, o ano passado, na sequência de mais um incumprimento, fiz uma queixa crime que recentemente resultou numa acusação por subtracção de menor. Bem sei que até trânsito em julgado da sentença de condenação todos são inocentes mas, tenho fé que pelo menos neste processo crime se faça justiça. Por mim, pelo Gonçalo, pelo João que ainda não conhece o irmão, pela pessoa que continua ao meu lado e nunca desiste nem por um segundo, pelos filhos de pais separados vitimas de alienação parental, pelos pais e mães que sofrem por este motivo…procederei criminalmente contra a mãe do Gonçalo sempre que esta incumpra. Deveria tê-lo feito mais vezes, não fiz mas agora, com a alteração legislativa vou fazê-lo sempre. Um dia terá frutos, um dia vou ver o resultado e, como imaginam o resultado que espero é ver o Gonçalo feliz, é privar com ele, saber dele, ensiná-lo em tudo o que precise ou queira aprender.

Um dia…em breve!

Entretanto vou esperando, escrevendo e vivendo um momento depois do outro. Espero continuar a sentir-me um ser humano completo, de bem com a vida e capaz de me ajudar a mim e a todos os que comigo privam. Sinto-me útil e feliz o suficiente porque tenho de quem gostar, tenho quem me cuide e goste de mim e acredito, de verdade que muito em breve estarei mais perto do meu filho Gonçalo.

Muito obrigado a todos, muito obrigado pela confiança e pelo apoio. Por favor não deixem de me questionar, não deixem de me falar...é bom conversar, saber o que pensam e, dessa forma ir desabafando e encontrando soluções.

Adiado? Sim...está adiado o reencontro dos meus filhos.


5 comentários:

Anónimo disse...

Olá Sérgio,

Sem ser especialista na matéria mas sendo vítima de SAP há 10 anos permite-me que te diga que a mãe do teu filho parece ser claramente uma pessoa perturbada e não sei se sabes prevê-se para breve que o SAP seja incluido na lista de doenças mentais da Associação Americana de Psiquiatria.
Pena é que a maioria dos nossos tribunais e entidades que com eles colaboram na realização de perícias, dsignadamente as técnicas do IRS e da Segurança Social, continuem a ignorar esta realidade. No meu caso posso-te dizer que jamais o SAP foi avaliado pelos técnicos porque omitem e escondem as minhas acusações de SAP e porque o tribunal faz o mesmo e não pede para isso ser avaliado.
Estes processos são Kafkianos, jamais pensei que a Justiça funcionasse assim...

Força, não desistas da tua luta e vais ter de ter muita calma e paciência mas sempre com determinação e firmeza porque um dia este estado de coisas terá de mudar...

Teresa Peixoto disse...

Sérgio,

Cada vez que venho ler um post venho com esperança de que algo tenha mudado, de que se tenha feito luz na cabeça da mãe do Gonçalo, mas parece que cada vez está mais "enraivecida" e descontrolada, sem noção do que está a fazer na realidade!! É verdadeiramente triste...
Como já disse antes, não sei o que faria agora, quando tivesse o meu filho comigo, porque acho que tudo tem limites e essa pessoa, bem como esta situação, já ultrapassaram todos os limites do razoável e aceitável. Chega um ponto em que é preciso dizer "BASTA!".
Muita força, e um Feliz Natal para toda a familia, dentro do possivel.
Beijos

Filipa disse...

Que situação desesperante. Realmente, é de lamentar que a tua ex-mulher continue a utilizar o Gonçalo como arma de arremesso, sem se dar conta do mal que lhe causa. Privar uma criança de ter pai, é algo imperdoável e que a curto/médio prazo irá provocar na criança um sentimento de revolta contra quem, sem qualquer respeito o inibe de tal ... direito!!

Gostaria que este Natal, servisse como período de reflexão, e que o afastamento que ao longos os anos se tem verificasse terminasse, para o bem de todos, mas principalmente para o bem do pequeno Gonçalo, que é um inocente em toda esta estória.

Um bom Natal para todos, com os votos de que nos próximos dias tenham o presente que concerteza mais anseiam ... o Gonçalo, e os manos juntos!!!

Beijinhos

Isabel disse...

Olá Sérgio.
Espero que em breve esse vosso distanciamento acabe e que finalmente vocês possam viver em paz e na companhia um do outro, tanto quanto o possivel.
Desejo-te um Natal cheio de esperança, paz e de tudo de bom que a vida vos possa ceder.
Um grande beijinho, Isabel Manada

Liliana disse...

Ola Sergio

E triste verificar ate pela forma como a mae do gonçalo escreve que e uma pessoa que nao deve estar muito bem psicologicamente, e isso assusta, nao so por ela, mas por saber que esta a criar uma criança, o vosso filho sabe-se la em que condiçoes, nao so as fisicas mas as psicologicas que essas sim sao muito importantes na formaçao de um ser humano e na formaçao da sua personalidade.Fico triste por saber que esta triste historia nunca mais encontra um final feliz, com o Gonçalo junto a vos, junto dos que o amam...espero muito sinceramente que o reencontro seja para breve, para muito breve mesmo para o bem de todos voces

A minha Lara nasceu do mesmo dia do teu Gonçalinho ;) foi a Xaninha que deu conta disso

Desejo-vos um Santo e Feliz Natal repleto de alegrias, e com o maior presente de todos, a chegada do teu menino

Beijinhos