quinta-feira, 18 de junho de 2009

Cobarde anonimato!

Nem sempre sinto vontade de escrever e partilhar os meus momentos; nem sempre encontro a forma certa de passar o que sinto para um texto escrito; nem sempre me julgo capaz de exprimir a minha angústia e a saudade que tenho do Gonçalo. Já lá vão mais de  cinco meses desde a última vez que o vi! Sinceramente, pensando com clareza, desde Outubro de 2007 que não tenho a oportunidade de privar, de criar, de educar, de brincar de passar tempo em quantidade e com qualidade com o meu filho. E isto é admissível?Enquanto pai nunca poderei perceber e muito menos aceitar a forçada e inexplicável distância. Hoje, ao abrir o blog deparei-me com mais um comentário anónimo, cobardemente anónimo que, como sempre em "mau portugês" e carregado de erros ortográficos e gramaticais, me injuriava e difamava. Desta vez fui apelidado de "pai louco". Loucura de quem aqui escreve sem a coragem de assinar. Tanto gostava de ver um destes comentários devidamente identificados. Tanto gostava de ver estas acusações devidamente clarificadas. Se me exponho num blog, se assumo a minha estória publicamente não optando por privatizar este site então, como imaginam estou disposto e preparado para todas as verdades, para todos os comentários e, mais do que isso não temo rigorosamente nada do que aqui possam escrever ou dizer de mim. Felizmente estou tranquilo sobre tudo o que foi o meu passado e sobre o meu presente. Orgulho-me daquilo que sou e sempre fui enquanto pai. Por favor, assumam estas acusações, assinem estes comentários e escrevam sobre factos concretos. Estejam certos de que aceitarei todas as mensagens deixando sobre cada uma o meu comentário. A pouco mais de uma semana para o nosso João completar um mês de vida, ainda não tivemos a oportunidade de partilhar, verdadeiramente esta alegria com o Gonçalo.O nosso bebe é calmo e sossegado, tem um olhar muito expressivo e tornou os nossos dias mais suaves e doces. Resta agora aguardar pelo momento de partilha de alegria com o mano mais velho e...aí sim...poderei sentir-me verdadeiramente cheio!

14 comentários:

Filipa disse...

Sinceramente, é lamentável que tenha de se fazer posts com este teor. Há pessoas que parece que nada mais fazem do que tentar chatear os outros. Será que ainda não constataram que não gostando ou não concordando com o que lêem, é fácil ... basta clicar no botão vermelho com uma cruz branca situado no canto superior direito do monitor, e que podem fazer todo este processo abstendo-se de opinanços despropositados e lamentáveis?

Haja paciência!!

Beijinhos muito grandes para todos vocês e não ligues a essa gente que parece ser desprovida de quase tudo, à excepção da lingua afiada!!!

Cindy disse...

Sempre a mesma coisa...

Ainda um dia destes tive de dar um raspanete ao meu filhote antes de ele ir para a cama... no outro dia foi o pai que o acordou e o levou para a escolita... fiquei com o coração apertado até o reencontrar ao fim do dia e lhe dar um abraço... imagino tu!

Só quem não é pai ou mãe ou não tem qualquer amor para dar é que não dá valor ao que estás a passar!

Outro exemplo do que se passa com o Tribunal de Menores, em Portugal, é aquela coitada daquela mãe de 15 anos que parece ter o apoio dos próprios pais, condições, etc e querem-lhe tirar o filho!

Haja paciência!

Beijos e abraços na família!

Ana Santos disse...

É a primeira vez que aqui venho, estive a ler o post abaixo. Despertou-me a curiosidade ao passar noutro blog e ler o título cobarde anonimato, pois muitas das vezes vários blogs, incluindo o meu, recebemos comentários anónimos, como diz e bem, acobardados e com erros ortográficos, se não gostam porque se dão ao trabalho de comentar e ler? E se insultam a pessoa, será alguém conhecido, mas com medo de se dar a conhecer?
Também não privatizei o meu blog, mas modero os comentários, assim só publico os que acho que merecem serem publicados.
Desejo que consiga voltar a ver o seu filho Gonçalo, que posso conhecer o irmãozinho.
Beijos,
Ana e seus tesourinhos

Shakti disse...

Nem vale a pena estares a virar as tuas forças para esse lado...o que apenas importa é o Gonçalo...os anónimos , deixa-os para lá...

Bj

Naotequero Nemtetroco disse...

"É injusto e imoral tentar fugir às conseqüências dos próprios atos. A natureza é inexorável, e vingar-se-á completamente de uma tal violação de suas leis." [ Ghandi ]

Um beijo enorme amigo.

Nós... disse...

Como deves de calcular o cobarde do anonimo que desde algum tempo te comenta, não deve de comentar este post....
Acho que deves de ignorar, pk para mim é alguem que te conhece pessoalmente, é alguem que de uma forma ou de outra tenta que pares... não sei bem o k!

Mostra-te superior e ignora!

Beijinhos nossos para voces todos :)

Carla e Diogo disse...

Olá Sérgio, ignore esses comentários que não merecem sequer que gaste o seu tempo. Guarde as suas forças para conquistar o seu Gonçalo.

Beijinhos para toda a familia
Carla

Eu disse...

Nada como a sabedoria popular:
"Vozes de burro..."
Não desperdices energia preciosa com quem não merece.

Um abraço,

teresa disse...

Realmente é lamentável que essas pessoas não tenham coragem para sair do anonimato...mas mesmo anónimas não se livram da conciência e essa acaba por pesar mais tarde ou mais cedo!
Força e que vivam a doçura do vosso João com a esperança de ter o Gonçalo muito em breve junto de vós!

Belit@ disse...

Olá Sérgio!
Porque não impedes comentários anónimos e activas moderação? Assim quem vem cá só para chatear, nem tem tempo de ver as suas parvoíces publicadas.
Sei que aborrece, e muito, mas ignora. Concentra-te no que é realmente importante, os teus filhos...
E já sabes, há um anónimo parvo em centenas de pessoas que te apoiam, dão a cara e torcem por ti...

Beijoca

Polar Azul disse...

Percebo o que dizes, porque não me imagino viver longe dos meus filhos. Quanto aos comentários anónimos, só denotam cobardia, que nada mais merece a não ser desprezo. As pessoas devem assumir as suas palavras.

JoanaMonteiro disse...

Para que ligar a certos seres que nem têm coragem de dar a cara ? Não ligue , não dê importância.
Não se importe com o que possam pensar de si , não se importe com os rótulos que lhe possam por e nem sequer se dê ao trabalho de dar explicações a "pessoas" como essas.


Há muito tempo que não visitava o seu blog , e quando o venho ler , deparo-me com uma situação desta. Cinco meses sem ver uma pessoa que tanto ama , sem poder partilhar a alegria que está a sentir por ser pai novamente. Na verdade não é só alegria que sente , tem de duas coisas , felicidade e tristeza. Felicidade por ter mais um filhinho lindo , e tristeza por não poder estar com o filho que tanto ama , Gonçalo.
Um mal nunca vem só , parece que vem um atrás do outro como peças de dominó.
Não há qualquer tipo de descrição gramatical para este caso , pelo menos eu ainda não a encontrei.
O que sei e posso dizer com grande certeza , é que é muito mau não estarmos com uma pessoa que tanto amamos. Eu pessoalmente sinto essa tristeza constantemente em mim. O meu pai para dar o melhor para o meu futuro , não está comigo... Vejo-o três vezes por ano , no máximo. E eu que estava habituada a chamar " paaaii " todos os dias que chegava a casa. Agora abro a porta sem qualquer pressa e permaneço calada... é mau.
É um caso diferente , mas o que se sente penso eu que é o mesmo , é saudade de alguém querido , é tristeza por nao podermos ter essa pessoa sempre ao nosso lado , é sentir que este mundo é injusto por nos ter tirado ela de nós.

Mas lembre-se , nunca desista de nada. Lute sempre , e tente estar sempre o mais próximo de seus filhos. Pois eu sei o quanto é mau estar longe de um pai , e nao desejo isso a ninguém.
Orgulhe-se sempre da pessoa que é. Nunca desista.

São palavras de uma menina pequenina , mas que está aqui sempre que precisar. Um beijinho. Joana

Teresa disse...

Sérgio,

Acabei de tomar conhecimento deste caso por uma amiga.
Quero desejar-lhe a maior força do mundo nessa caminhada!
Um abraço
Teresa

Belinha disse...

Vim aqui parar através de uma amiga que lê atentamente este blogue.
Fiquei apaixonada pelo amor, que num simples post conseguiu transmitir. Fez-me sentir tristeza, esperança, dor, tudo só com palavras. Já apanhei esse mal quando tentava, num blogue partilhar a dor de perder um filho, acabando por desistir pela falta de sensibilidade e estupidez de muitas pessoas. Infelizmente haverá sempre deste tipo de gente.
Muita força para esta luta diaria, e felicidades.
Deixo aqui um abraço apertado e exprimo a vontade que tenho de cá voltar.
Isabel Santos