quinta-feira, 3 de julho de 2008

Faz hoje seis meses que casamos!


Faz hoje seis meses que casei pela segunda e última vez! Nas férias de verão o Gonçalo participou nas nossas conversas sobre o casamento e estava muito entusiasmado com os preparativos da festa. Inicialmente tínhamos pensado casar em Outubro, o Gonçalo planeava "carregar" as alianças e imaginava vestir uns calções azul marinho e calçar uns sapatos de vela. Ele, que é um descontraído e adora roupas desportivas e confortáveis tinha dado imensa importância à escolha da vestimenta para o casamento do pai. Infelizmente, com a eminência da partida para Angola acabamos por decidir adiar o casamento. Na expectativa de uma visita no Natal, tal como acordado no regime de visitas, marcamos o casamento para Dezembro mas, uma vez mais, a mãe do Gonçalo falhou!
Decidimos casar no dia 3 de Janeiro. Casamos na conservatória e não organizamos qualquer festividade por respeito ao Gonçalo e ao entusiasmo que, desde o início ele demonstrou pela festa. O nosso casamento é muito importante para nós. A festa pode esperar. Logo que o meu filho volte a Portugal vamos organizar uma grande comemoração.
Somos felizes juntos. Vivemos como um só e lutamos, às vezes quase sem necessidade de falar pelos mesmos objectivos. Tenho a certeza de que somos para sempre...uma família.

9 comentários:

molimpya@hotmail.com disse...

Eu felizmente ainda nao sei o que é estar longe do meu filho mas posso imaginar a dor que é. Comento o post só para deixar uma palavra de esperança e força. Esperança que um dia tudo se venha a resolver e força para continuar a lutar pelo Gonçalo. Fico tão revoltada com estes casos! (E agora que fui mãe ainda mais) Acho uma estupidez da parte da mãe do Gonçalo privar o filho do pai duma maneira tão radical, isso não se faz porque o unico prejudicado de verdade aqui é o pequeno, e mãe que á mãe engole qualquer coida e faz qualquer coisa em bem de um filho. Força e coragem.

Cláudia, Pimpo & Pimpa disse...

Obrigada pelas tuas palavras...
Vou-te linkar, ok?

Bjs Cláudia

filipa disse...

Olá,

Muitos Parabéns ... pela Vossa união que transparece estar replecta de muito amor, carinho, amizade, companheirismo, cumplicidade, partilha e felicidade!!
Continuem assim por muitos e muitos anos ... e tenham esperança!! ... essa felicidade será, um dia destes, vivida a 3!!

Um beijinho muito grande!!

Anónimo disse...

OLa!
E a primeira vez que visito o teu blog e ...senti um misto de emocoes!

A maior delas,foi mesmo a crueldade.Crueldade de uma pessoa que diz ser mae!!!!

Eu sou portuguesa,o pai da minha filha e ingles e...jamais voltaria para Portugal,jamais afastaria a minha filha do pai.

Sinto muito tudo aquilo que estas a passar. E doloroso.Nao consigo sequer imaginar,estar longe da minha filha 24h quanto mais meses.

Desejo-te do fundo do coracao,que logo,logo vejas o teu filhote!
Que a mae dele,meta a mao na consciencia(se e que a tem) e veja o mal que esta a fazer a ambos.

Beijinhos sentidos e parabens pelos 6mesinhos,que dure muitos e muitos aninhos!

Nostálgica disse...

que venham muitos mais meses..
um bjnho.

Márcia disse...

É preciso pensamento positivo e muita força.
Bj

Mar disse...

Que bom que tudo está a correr bem; só falta mesmo o Gonçalo para completar a família. Tenham esperança que tudo há-de acabar por se resolver.

Felicidades

Mamã e Tesourinhos disse...

Olá!
Fazes bem em recomeçar a vida. Não podemos desistir apenas porque tivemos uma experiência menos boa. Pelo que já vi, a tua companheira tem-te apoiado na rasteira que a Vida infelizmente te pregou. E o Gonçalo gosta dela. Se puderem, aumentem a família. O Gonçalo já tem o seu lugar nela e acredito que gostará de ver que o pai além de não ter desistido dele, também não desistiu de continuar a sua própria vida, proporcionado-lhe o que de melhor lhe podemos dar: uma família cheia de Amor!
Fica bem.
Bjs.

Anónimo disse...

Parabéns pelo seu blog, pelo casamento e... boa sorte com o Gonçalo!
A legislação que permite afastar uma criança do pai desta forma é brutal e desumana! A liberdade de um progenitor tem que acabar quando começam os superiores interesses da criança!