quarta-feira, 4 de agosto de 2010

A horas de ir buscar o Gonçalo...

Dentro de algumas horas, em cumprimento de novo acordo homologado em Tribunal, vou buscar o Gonçalo. O encontro está marcado para as 19h00m naquela que é a residência da mãe do meu filho mais velho em Portugal.
Cá por casa está tudo preparado para receber o Gonçalo e o apresentar ao João. O quarto e os brinquedos continuam reservados com respeito pela decoração que tínhamos da última vez que vimos o Gonçalo, a 2 de Janeiro de 2009. O computador continua disponível, as consolas estão carregadas e os livros devidamente arrumados na estante. Falta saber se os gostos do meu filho são os mesmos. Falta saber se ainda aprecia os Gormitis; falta saber se ainda joga PSP, se ainda gosta de cinema. Falta saber o que mais lhe apetece hoje!
Por cautela, como o Gonçalo me é sempre entregue sem uma só muda de roupa e já passaram 19 meses desde a última vez que o vi, compramos algumas peças de roupa que, acreditamos venham a ser úteis. Esperamos para ver como cresceu e, depois comprar mais algumas coisas ao gosto dele.
A ver vamos...
Dentro de algumas horas posso ter, ou não, a minha família pela primeira vez junta!
Torçam por nós...
Cara Fenix Renascida, um comentário ao seu comentário: Com todo o respeito que me merecem as mães, não me merecem menos respeito os pais. Assim, o dever de guardar não é necessariamente da mãe! Mais: pai e mãe têm o dever de cuidar, amar, educar...para sempre e sem limites. Não conheço a sua história, não sei o que aconteceu mas, independentemente das razões mantenho sempre esta posição: o filho não é do pai e não é da mãe. O filho é livre, é da vida!

12 comentários:

Dulce disse...

Fico a torcer (muito, muito)por vocês. Tudo de bom

Mãe P. disse...

Sigo este blog há algum tempo e talvez nunca tenha comentado. Agora que está preste a haver o tão desejado e merecido reencontro, não posso deixar de vos desejar as maiores felicidades, aproveitem todos os minutinhos para se mimarem como pai e filho.

F. M. disse...

Meu caro amigo
estou a torcer por vocês!
Abraço
FM

fénix renascida disse...

Podia ter-me respondido no local dos comentários, mas pronto...
Se um filho é tanto do pai como da mãe, porque é que nas outras espécies da classe dos mamíferos (por favor, não nos comparem às aves nem a peixes, pois, tanto quanto me lembre, eu não pus nem choquei ovo algum!) não é assim?! Porque é que ainda são as fêmeas que cuidam das crias? Que têm elas mais do que nós?

Respeito a sua posição, tal como certamente o Sérgio respeitará a minha: em primeiro lugar, que seja feita a vontade da criança (uma boa mãe, por amor a um filho, saberá entregá-lo ao pai, se for da vontade deste, e acredito -ou assim o espero, pois tal ainda não aconteceu comigo- que um pai fará o mesmo); em segundo, se nada houver contra a mãe, prevalece -de acordo com as leis da natureza ainda vigentes e bem presentes em nós-próprios, quer assim o queirais ou não- a mãe!
De resto, quanto ao seu caso, ninguém melhor que o G. para vos julgar, a si e à mãe. Tal como a minha filha mais velha o fará com quem quer que seja que tenha procedido mal. Até porque se há algo que eu faça de incorrecto, ela diz-me logo.

A seu tempo, Sérgio.

Há que pôr a mão na conciência, e ver se e apenas o outro quem tem agido mal. Eu não o estou a criticar, nem à mãe. Como disse, apenas sei aquilo que me diz o Sérgio, nada mais.

A su tempo...

Anónimo disse...

Estamos a torcer!!
Boa Sorte!

Shakti disse...

Espero que corra tudo pelo melhor, pai e filho merecem !!!

bj

Ana disse...

Em resposta, se me permite:
"Porque é que ainda são as fêmeas que cuidam das crias? Que têm elas mais do que nós?"

Elas têm o bom senso de cuidar do bem estar e de fazer o melhor pela sobrevivência com todas as condições necessárias e possiveis dentro do seu habitat.
Mas voltando um pouco a sua pergunta,
que temos nós a mais que elas?
A resposta é mt simples, embora para alguns esteja mais presente do que para outros:
somos seres racionais, evoluidos, civilizados.
Falta-nos, por vezes o bom senso que podemos ver em algumas espécies que refere, nas quais, perante um mau comportamento ou qualquer suspeita de negligencia de uma femea, uma mãe, a restante comunidade se impõem e põe termo a qualquer actividade que ponha em risco a dita cria.
Neste caso, é lamentável ver que não podemos agir tão rapida e prontamente quanto estas especies, visto que, se assim fosse, o Gonçalo não teria que passar tanto tempo afastado e PRIVADO do convivio/contacto com o Pai.

Estou a torcer por si, Sérgio, pelo Gonçalo, pelo irmão e pela sua esposa, para que finalmente o Gonçalo possa encontrar uma estabilidade que lhe permita ter uma infância normal junto daqueles q nunca desistiram de lutar por ele.

Jorge Freitas Soares disse...

Estamos em pulgas... mas sabemos que vai correr tudo bem

Jorge

Anónimo disse...

Cara fénix, caso não saiba os outros animais (mamiferos ou não) que refere criam as suas crias até estas terem idade para sobreviverem sozinhas, nós os humanos criamos laços que ultrapassam em muito o instinto de sobrevivência da espécie. Comparar a espécie humana com gatos e porcos parece-me argumento de quem não tem argumentos. Uma Mãe com M grande, categoria na qual me gosto de inserir, jamais priva um filho do contacto do Pai, a menos que este seja prejudicial para ele. Um ser humano, efectivamente humano, jamais tira a outro aquilo que de mais precioso temos, o amor dos filhos.
Sandra
Muitas felicidades para o reencontro

fénix renascida disse...

Eu jamais falei de privar um filho do contacto com o pai!!! O que eu digo sempre é que não se deve separar um filho da mãe sem justa causa!
A ver se nos entendemos de uma vez por todas: quando comparo a espécie humana a outras que, como a nossa, carregam o filho no ventre (e tem TODA a razão quando diz que, ao contrário dos outros mamíferos, os humanos estabelecem laços, o que faz com que a fusão mãe-filho -que se inicia na gravidez- seja bem maior entre os humanos do que nas outras espécies) e o amamentam, falo do papel da mãe, que se diferencia em tudo do do pai.
Aconselho -para quem souber francês- a leitura de uma carta de Daniel Pendanx, em resposta à carta que lhe fora enviada por um pai.

p.s eu tinha respondido ao comentário da Ana, mas não vejo aqui a resposta, nem razão para que não esteja, já que eu nunca falto ao respeito a ninguém.

Pai Para Sempre disse...

Cara Fénix,

Aceitei todos os comentários que me foram enviados. Não tenho qualquer comentário por aceitar. Suponho que tenha ocorrido algum erro. Se achar bem pode repetir o comentário para que eu o publique.

Abraço
S

fénix renascida disse...

É possível que tenha ocorrido um erro, não digo que não...
De qualquer forma julgo que o meu comentário de há pouco também responde ao comentário da Ana.

Sérgio, se vê que algo de muito importante (amor, cuidados...) falta ao seu filho, então sim, faça tudo para que ele venha definitivamente para junto de si. Se for de sua própria vontade, claro.

Um abraço.